domingo, 17 de julho de 2016

A PREGAÇÃO DE ESTÊVÃO

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Adonai é nome de Deus

Teologia
Adonai, este nome de Deus está no plural denominado assim na pluralidade das pessoas na Divindade. É traduzido como Senhor, assim como chamamos na Bíblia e mostra uma relação de senhor e escravo, quando usado no possessivo, indica a posse e autoridade de Deus.
A escravidão era uma relação entre homem e homem e não era um mal implacável. Nos tempos remotos da escravidão os bons escravos tinham as alforrias e eram libertos da obrigação com os dono ou senhores, claramente que é uma benção quando Deus é o Dono nos dias de Abraão.
Quando o escravo comprado tinha a proteção e os privilégios não gozado pelos empregados assalariados, os escravos comprados tinham de ser circuncidados  e permissão para participar da Pascoa, más todo escravo comprado por dinheiro, depois que o haveres de circuncidado , comerá dela 'pascoa' ( Ex 12:44).
Adonai é uma palavra singular (Adon) refere-se a homem, aparecem mais de duzentas vezes no Velho Testamento e é traduzida várias vezes como: Senhor, Mestre, Dono. Este nome de Deus é usado pela primeira vez no Velho Testamento em conexão com Abraão, Abraão foi o primeiro a chamar Deus de Adonai.
Abraão como dono de escravos reconhecia Deus como seu mestre e proprietário. Quando Abraão retorna da sua vitória sobre os reis, depois de ter libertado Ló, o rei de Sodoma queria gratifica-lo, mas ele recusou recompensas. E "depois destas coisas veio a palavra do Senhor  (Jeová) a Abraão dizendo: "Não temas, Abraão, Eu sou teu escudo e tua grande recompensa, Abraão disse: Senhor Deus (Adonai Jeová). Ele que possuía escravos reconhecia a si  próprio como escravo de Deus.
JEOVÁ
Este é o mais famoso dentre os nomes de Deus e é predicado, dele como um Ser necessário e auto-existente. O significado é: AQUELE QUE SEMPRE FOI, SEMPRE É E SEMPRE SERÁ. Temos assim traduzidos em Apocalipse 1:4 " Daquele que é e que era e que há de vir.


quarta-feira, 6 de julho de 2016

Mt2312

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=961832510592400&id=100002969797404&mds=%2Fsharer-dialog.php%3Ffs%3D8%26fr%26sid%3D961832510592400%26_ft_%3Dtop_level_post_id.961832510592400%253Atl_objid.961832510592400%26internal_preview_image_id&mdf=1

sábado, 2 de julho de 2016

Pastor Juka Ministração em P.Prudente Igreja Missionária


 O texto abaixo é embasado no Sermão ministrado pelo pastor moçambicano Cidadãos do Céu aqui na terra.

Os cristãos dispersos através do império, e ate mais longe deste, tem o sentimento de formar um só povo, independente das barreiras geográficas, étnica, sociais e politicas. Vejamos que neste último tempo estamos a receber grandes homens de Deus, empenhados na obra do Espirito Santo, travessar longínquas milhas até chegarem a nós. Prova disso é a Igreja Missionaria que fez chegar aqui no Brasil o Pastor Juka Ilídio. " Ide, portanto,  pregai a todas as nações" e "Ide e fazei discípulos de as nações" (Mateus 28:19)
Que pastoreia igrejas lá em Moçambique na África, pais e continente distante do nosso. Vamos considerar “os que vivem estrangeiros” neste mundo, somos todos nós peregrino, com plena consciência de suas existências efêmeras.  Deixam suas verdadeiras cidades assim o escreveram, afirmam que se encontra em outro lugar e suas vidas não mais são que uma marcha para alcança-la.
Esta expressão é a face nítida em sua obra de evangelizar, que tem em repertorio obras que reflete a fé cristã primitiva. Bem entendido que só pode ser parcial devido às lutas dos incrédulos no evangelho de Cristo.
O objeto de fé e adoração deve sempre ser Jesus Cristo e, particularmente o “Salvador”, do qual todo homem deve esperar o perdão dos pecados e a salvação eterna. “Vinde a mim, todos vós que carregais um grande fardo, e eu vos darei o repouso” (Mt 11:29) estar proclamar o evangelista Mateus: Imagem de misericórdia divina que, falou ao povo o pastor Juka presente nesta cidade, que disse que depois da morte corporal, a misericórdia do Senhor concede a alma a felicidade sobre as cinzas ou dentro coberto pelo sarcófago, esta “paz do Senhor” é representada pelo tema do Bom Pastor que conduz sobre os ombros a ovelha desgarrada.
Representa um rochedo com paisagem bucólica, e rusticas cabanas, isto é o próprio Paraíso, posta salvo é homem ou mulher, de mãos erguidas em atitude de oração, o rosto concentrado na ação de graças de nosso Senhor Jesus Cristo. Esta representação da paz celeste ou “S.O.S celestial” deve ser associada frequentemente com cenas dos milagres bíblicos ou do evangelho cristãos: Todas significam a salvação trazida pela oração na hora da morte; em outras palavras, a solicitude de Deus para com seus fieis servidores.
Daniel saído da goela dos leões, os três Hebreus, Ananias Asarias e Mizael  foram protegidos das chamas, Noé salvo do diluvio dentro da sua arca, (Gn 7...) Como sabemos que a profetisa Suzana. O aparecimento de Daniel a mando de Deus, ao questionar os juízes sobre a fiabilidade da acusação, permitiu conhecer o falso testemunho dos acusadores e salvar Susana da morte.
À parte as questões morais de falso testemunho e do seu móbil, o episódio dá conta da evidência do desejo sexual até bem entrada a velhice, coisa que as nossas sociedades, hoje, tendem a escamotear, o os próprios têm pudor muitas vezes em assumir. 
Se nós não nos disponibilizarmos para enfrentar os leões que estão ao derredor podemos ser vencidos por ele, leia (Efésios ) o paralitico curado que andou, pregado por muitos preletores evangélicos e outros nesta busca de um lugar celestial, Lazaro ressuscitado: Tantas descrições de libertações. A aventura de Jonas (Jonas 1:1-17) em que o profeta de Deus saiu vivo das entranhas do monstro peixe, que representava a ressurreição de Cristo e, a dos fieis, “ Assim como Jonas ficou por três dias e três noites no ventre do peixe, assim o Filho do homem ficará no seio da terra, três dias e três noites”, disse ainda Mateus, descreve a viagem semeada de bens e provações, imagem das atribulações da existência e, do outro, o doce repouso à sombra da árvore, símbolo da beatitude eterna feita de paz.
Assim explica tanto a graça do salvador do Cristo como Deus, uma fé garantida explica a importância do culto que a igreja dos primitivos séculos celebra sempre aos seus fieis.
  

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Pr.Juca em Igreja Missionaria


 O texto abaixo é embasado no Sermão ministrado pelo pastor moçambicano Cidadãos do Céu aqui na terra.

Os cristãos dispersos através do império, e ate mais longe deste, tem o sentimento de formar um só povo, independente das barreiras geográficas, étnica, sociais e politicas. Vejamos que neste último tempo estamos a receber grandes homens de Deus, empenhados na obra do Espirito Santo, travessar longínquas milhas até chegarem a nós. Prova disso é a Igreja Missionaria que fez chegar aqui no Brasil o Pastor Juka Ilídio. " Ide, portanto,  pregai a todas as nações" e "Ide e fazei discípulos de as nações" (Mateus 28:19)
Que pastoreia igrejas lá em Moçambique na África, pais e continente distante do nosso. Vamos considerar “os que vivem estrangeiros” neste mundo, somos todos nós peregrino, com plena consciência de suas existências efêmeras.  Deixam suas verdadeiras cidades assim o escreveram, afirmam que se encontra em outro lugar e suas vidas não mais são que uma marcha para alcança-la.
Esta expressão é a face nítida em sua obra de evangelizar, que tem em repertorio obras que reflete a fé cristã primitiva. Bem entendido que só pode ser parcial devido às lutas dos incrédulos no evangelho de Cristo.
O objeto de fé e adoração deve sempre ser Jesus Cristo e, particularmente o “Salvador”, do qual todo homem deve esperar o perdão dos pecados e a salvação eterna. “Vinde a mim, todos vós que carregais um grande fardo, e eu vos darei o repouso” (Mt 11:29) estar proclamar o evangelista Mateus: Imagem de misericórdia divina que, falou ao povo o pastor Juka presente nesta cidade, que disse que depois da morte corporal, a misericórdia do Senhor concede a alma a felicidade sobre as cinzas ou dentro coberto pelo sarcófago, esta “paz do Senhor” é representada pelo tema do Bom Pastor que conduz sobre os ombros a ovelha desgarrada.
Representa um rochedo com paisagem bucólica, e rusticas cabanas, isto é o próprio Paraíso, posta salvo é homem ou mulher, de mãos erguidas em atitude de oração, o rosto concentrado na ação de graças de nosso Senhor Jesus Cristo. Esta representação da paz celeste ou “S.O.S celestial” deve ser associada frequentemente com cenas dos milagres bíblicos ou do evangelho cristãos: Todas significam a salvação trazida pela oração na hora da morte; em outras palavras, a solicitude de Deus para com seus fieis servidores.
Daniel saído da goela dos leões, os três Hebreus, Ananias Asarias e Mizael  foram protegidos das chamas, Noé salvo do diluvio dentro da sua arca, (Gn 7...) Como sabemos que a profetisa Suzana. O aparecimento de Daniel a mando de Deus, ao questionar os juízes sobre a fiabilidade da acusação, permitiu conhecer o falso testemunho dos acusadores e salvar Susana da morte.
À parte as questões morais de falso testemunho e do seu móbil, o episódio dá conta da evidência do desejo sexual até bem entrada a velhice, coisa que as nossas sociedades, hoje, tendem a escamotear, o os próprios têm pudor muitas vezes em assumir. 
Se nós não nos disponibilizarmos para enfrentar os leões que estão ao derredor podemos ser vencidos por ele, leia (Efésios ) o paralitico curado que andou, pregado por muitos preletores evangélicos e outros nesta busca de um lugar celestial, Lazaro ressuscitado: Tantas descrições de libertações. A aventura de Jonas (Jonas 1:1-17) em que o profeta de Deus saiu vivo das entranhas do monstro peixe, que representava a ressurreição de Cristo e, a dos fieis, “ Assim como Jonas ficou por três dias e três noites no ventre do peixe, assim o Filho do homem ficará no seio da terra, três dias e três noites”, disse ainda Mateus, descreve a viagem semeada de bens e provações, imagem das atribulações da existência e, do outro, o doce repouso à sombra da árvore, símbolo da beatitude eterna feita de paz.
Assim explica tanto a graça do salvador do Cristo como Deus, uma fé garantida explica a importância do culto que a igreja dos primitivos séculos celebra sempre aos seus fieis.